3 individuais de mulheres artistas que valem a visita em Londres

3 individuais de mulheres artistas que valem a visita em Londres

Escrito em 05/08/2022

Confira as dicas para quem for visitar a capital inglesa ou para quem quiser saber mais sobre o trabalho dessas três artistas
Cold Dark Matter, 1991, Cornelia Parker.
Cold Dark Matter: An Exploded View, 1991, Cornelia Parker.

Esta semana trazemos três exposições de mulheres artistas que valem a visita. Em três mostras individuais e independentes entre si, as artistas apresentam seus trabalhos simultaneamente em Londres. Para quem for visitar a capital inglesa no próximo mês ou para quem simplesmente quiser conhecer os trabalhos dessas artistas, confira a nossa lista a seguir!

Cornelia Parker no Tate Modern

A artista britânica Cornelia Parker é uma das mais aclamadas da arte contemporânea. Sempre movida à curiosidade, ela reconfigura objetos domésticos para questionar nossa relação com o mundo. Usando  transformação, diversão e storytelling, ela engaja o observador com problemas importantes de nosso tempo tais como violência, ecologia e direitos humanos. 

Em cartaz no Tate Modern, esta exposição reúne trabalhos icônicos da carreira da artista como Thirty Pieces of Silver, de 1988-89; Cold Dark Matter: An exploded View, de 1991; a imersiva War Room e Marga Carta, amabas de 2015; seu monumental trabalho de bordado, assim como seus filmes, desenhos, estampas e fotografias. Alguns dos trabalhos exibidos nesta mostra irão fazer parte da coleção fixa do museu, em diálogo com os trabalhos históricos a que eles fazem referência. 

Visitação: Até 16 de outubro de 2022. 

Emma Talbot na Whitechapel Gallery

Volcanic Landscape, 2022, Emma Talbot
Volcanic Landscape, 2022, Emma Talbot.

Emma Talbot é uma artista britânica e ganhadora da oitava edição do prêmio Max Mara para artistas mulheres, o único deste tipo no Reino Unido. Realizado em parceria com a Whitechapel Gallery, o prêmio concede à vencedora uma residência artística na Itália, durante a qual a artista tem a oportunidade de desenvolver um corpo de trabalho a ser posteriormente exposto na Whitechapel. Tendo vencido o prêmio em 2020, a exposição de Talbot estava marcada para 2021, o que provavelmente foi adiado em função da pandemia. Portanto, os trabalhos exibidos nesta exposição em cartaz agora são exatamente aqueles produzidos durante sua residência na Emilia Romagna. 

Talbot começou a focar exclusivamente em sua produção artística recentemente, já que antes precisava dar aulas para conseguir sustentar a família enquanto mãe solo. Seu trabalho é, talvez por sua experiência de vida, marcado por um feminismo latente e inerente a cada uma de suas obras. Os trabalhos recentes em exibição nesta mostra trazem uma ressignificação da mulher velha e madura, exaltando sua capacidade de passar por desafios, em uma espécie de alusão aos 12 trabalhos de Hércules. 

Visitação: Até dia 4 de setembro de 2022

llana Savdie no White Cube 

La Llorona, por detrás, 2022, Ilana Savdie.
La Llorona, por detrás, 2022, Ilana Savdie.

Ilana Savdie é uma artista colombiana que se mudou ainda adolescente para os Estados Unidos. Seu trabalho é fortemente inspirado pelo Carnaval anual de sua cidade natal, o que confere cores vibrantes às suas telas. Seus trabalhos também enfatizam a complexidade do carnaval como um momento durante o qual a “normatividade” é suspensa dando lugar ao mundo queer. Como artista queer, a pintura está, para Savdie, além da caracterização. É um suporte que permite a união de cores, texturas, gestos, linhas e superfícies transmitindo tensão como uma forma de explorar o corpo humano por meio das manipulações e reconfigurações imagéticas de suas obras.

Esta mostra, intitulada In Jest (que pode ser traduzido como “de brincadeira”), acontece no White Cube e é a primeira individual da artista em Londres. Nela estarão expostas as grandes telas coloridas da artista além de desenhos que exploram performance e excesso como formas de dissidência e resistência. 

Visitação: Até dia 11 de setembro de 2022