100 anos depois da primeira aquisição americana de um Van Gogh, o artista recebe retrospectiva icônica

100 anos depois da primeira aquisição americana de um Van Gogh, o artista recebe retrospectiva icônica

Escrito em 22/04/2022

A mostra “Van Gogh in America” estreia no Detroit Institute of Arts em outubro de 2022
“Self-Portrait,” 1887, Vincent van Gogh

O Detroit Institute of Arts anunciou a próxima exposição dedicada a um dos artistas mais queridos e icônicos do mundo. A partir dos estudos de Jill Shaw, curadora da exposição, e seus colegas, foi possível projetar Van Gogh in America, que como o nome sugere, se propõe a revelar pela primeira vez a introdução e ascensão do artista nos Estados Unidos. 

Com 72 obras, sendo 56 pinturas e 16 desenhos, essa será a exposição de maior número de obras do artista em qualquer local dos Estados Unidos dos últimos 20 anos, e Detroit é o local mais apropriado para abrigá-la, pois seu museu foi o pioneiro do continente na compra de um Van Gogh.

Em 1922, o Detroit Institute of Arts comprou a tela Auto-Retrato, de 1887, a primeira aquisição americana de uma obra do artista holandês. A pintura é uma das mais icônicas, feita três anos antes de sua morte, ele se retrata com um chapéu de palha, pinceladas suaves e terrosas.

Apesar de seu trabalho aparecer em mais de 50 exposições coletivas durante as duas décadas seguintes à sua estreia americana na Exposição Internacional de Arte Moderna de 1913 (comumente conhecida como Armory Show), até 1935, Van Gogh não teve exposições individuais nos Estados Unidos. Na mesma época, o romance Lust for Life, de Irving Stone, foi publicado e sua adaptação para o cinema em 1956, moldou e começou a solidificar a compreensão popular de Van Gogh na América.

Two Peasants Digging 1889, Vincent van Gogh

Originalmente, a exposição estava programada para abrir em junho de 2020, mas teve que ser adiada por causa da pandemia da Covid-19. Quando o atraso até outubro de 2022 foi anunciado inicialmente, parecia uma espera excessivamente longa e não se previa que a pandemia durasse tanto. Mas o adiamento agora acaba sendo uma decisão prudente. A maioria dos empréstimos foi renegociada, embora nove obras não estivessem mais disponíveis.

Dentre as 72 obras, 40 serão de museus norte-americanos, cinco de coleções particulares norte-americanas e 27 do exterior. Entre os empréstimos internacionais mais importantes está a Cadeira de Van Gogh (1924), da National Gallery de Londres e O Quarto (1889), do  The Art Institute of Chicago.

“Van Gogh’s Chair,” 1888, Vincent van Gogh

A curadoria também inclui obras dos artistas pós-impressionistas Paul Cézanne e Paul Gauguin e de outros grandes mestres como Raoul Dufy, Henri Matisse, Georges Ribemont-Dessaignes e Joseph Stella.

Visitação: 02 de outubro a 22 de janeiro de 2023
Local: Detroit Institute of Arts
Endereço: 5200 Woodward Ave, Detroit, MI 48202, Estados Unidos
Funcionamento: Terça a quinta-feira, das 09h às 16h. Às sextas-feiras, das 09h às 21h. Aos sábados e domingos, das 10h às 17h. Fechado às segundas-feiras
Ingresso: US$ 6 – US$ 14,00