50º aniversário da morte de Picasso será comemorado em 2023 pela França e Espanha

50º aniversário da morte de Picasso será comemorado em 2023 pela França e Espanha

Escrito em 07/04/2022

As obras do artista são mencionadas como símbolo anti-guerra
Pablo Picasso em sua casa na França. Foto: Getty Images/Gjon Mili

Com o 50º aniversário da morte de Picasso no próximo ano, a França e a Espanha farão uma parceria para organizar uma série de eventos culturais ao longo de dois anos por toda Europa e Estados Unidos, dedicada ao legado do artista. Museus de Espanha, França, Estados Unidos, Alemanha, Suíça e Mônaco participam dos preparativos. As entidades incluem o Museu do Prado, os museus Picasso de Barcelona, Málaga e Paris, o MoMa em Nova York e o Kunstmuseum na Basileia.

Juntas, França e Espanha criaram uma comissão de líderes no espaço cultural para liderar o evento, que foi apelidado de “A celebração de Picasso 1973-2023”.

À frente da comissão está Cécile Debray, presidente do Musée Picasso Paris. Ela trabalhará ao lado do neto do artista – Bernard Ruiz-Picasso, que fundou um museu dedicado ao artista na Andaluzia.

O acordo para a realização da série de eventos foi firmado durante a última edição da Cúpula Franco-Espanhola, fórum que visa fortalecer os laços diplomáticos entre os países vizinhos. Como parte da agenda das conversas que aconteceram em 15 de março na província francesa de Montauban, membros de ambos os governos abordaram temas relacionados à sustentabilidade, imigração e defesa. Eles também abordaram assuntos relacionados aos setores culturais dos dois países, que ainda estão se recuperando do impacto da pandemia.

De acordo com um comunicado divulgado pelo Ministério da Cultura francês, a comissão responsável pela série de eventos transnacionais foi criada para promover Picasso como um artista “que encarna os princípios fundadores da Europa, composta por Estados democráticos, defensores dos direitos humanos e da liberdade de expressão”.

A declaração citou a famosa pintura de Guernica (1937), atualmente mantida no Museo Reina Sofía, em Madri, como um “símbolo anti-guerra”.

Em fevereiro, membros do governo da União Europeia posaram simbolicamente em frente à versão em tapeçaria da pintura que há muito está pendurada na sede das Nações Unidas em Nova York. A fotografia pretendia sinalizar apoio ao fim da guerra na Ucrânia.

Guernica (1937) de Pablo Picasso

Em um comunicado, os porta-vozes dos ministérios da cultura e das relações exteriores da França e da Espanha disseram que seu projeto Picasso pretende ser “um dos principais eventos culturais europeus e internacionais dos próximos anos”.