Gerhard Richter desenha vitrais para mosteiro mais antigo da Alemanha

Gerhard Richter desenha vitrais para mosteiro mais antigo da Alemanha

Escrito em 02/10/2020

Monges esperam que a janelas assinadas pelo renomado artista atraiam visitantes, gerando um futuro para a comunidade
Gerhard Richter_Abadia de Tholey
Vitrais abstratos que Gerhard Richter cirou para a Abadia de Tholey

Conhecido por ser um dos precursores a trabalhar com a pintar a partir de questões e enquadramentos da fotografia, mas também pela arte abstrata que apresenta temas formais  como incessantes estudos de cor, Gerhard Richter foi convidado para criar vitrais para a igreja da Abadia de Tholey, o mosteiro mais antigo da Alemanha. 

O artista desenhou três vitrais simétricos para as janelas do local usando tons de vermelho e azul profundos, além do ouro radiante.  A luz da manhã, um presente divino que já viraram matéria prima e objeto de pesquisa de muitos artistas, atravessa o desenho do artista garantindo um ambiente, dentro do mosteiro, mágico e acolhedor.  A partir deste mês, o recinto estará aberto ao público seis dias por semana e as janelas, com mais de 30 metros de altura, desempenham um papel fundamental no plano dos monges para garantir o futuro da abadia, transformando-a num destino para a turma artsy e num centro de hospitalidade e educação. De fato: Um relatório encomendado pelos monges disse que o novo trabalho de arte poderia atrair até 100.000 visitantes até setembro de 2021. 

Gerhard Richter_Abadia de Tholey
Quando a luz da manhã atravessa os vitrais criados por Gerhard Richter o local ganha clima mágico e acolhedor
Abadia de Tholey
Abadia de Tholey

Mas essa não são as primeiras janelas da igreja criadas por Richter. A catedral de Colônia, também na Alemanha, exibe uma estrutura de vitral com 11.263 quadrados coloridos dispostos aleatoriamente – um must go para quem gosta de arte. Na época, no entanto, o trabalho causou polêmica, pois o então cardeal da cidade, Joachim Meisner, declarou que o desenho abstrato, sem referência direta à Bíblia, era “mais adequado para uma mesquita”. A janela de Colônia foi encomendada por Barbara Schock-Werner, historiadora da arte que cuidou do local até 2012. Ela disse em uma entrevista recente que o comentário do cardeal Meisner, falecido em 2017, foi “o melhor RP possível”. “Houve um grande alvoroço no início, mas depois a recepção foi realmente entusiástica”, disse Schock-Werner. “Isso também tornou a catedral um destino para pessoas interessadas em arte contemporânea.” Além das janelas de Richter, eles encomendaram mais 34 janelas para a artista alemã-afegã Mahbuba Maqsoodi que deverão ser figurativas, retratando santos e cenas da Bíblia.

Vitrais desenhados por Gerhard Richter para a catedral de Colônia
Vitrais desenhados por Gerhard Richter para a catedral de Colônia

O primeiro documento remanescente que  menciona a Tholey data de 634 A.C. Situada em colinas verdes tranquilas perto da fronteira com a França e Luxemburgo, a abadia é o lar de 12 monges beneditinos que se reúnem cinco vezes por dia para orar. Eles também cultivam frutas, criam coelhos e galinhas e fazem schnapps de marmelo, mel e geleia.

Segundo Mauritius Choriol, o encarregado do mosteiro, 12 anos atrás, o local estava perto do fechamento: o jardim era uma selva, as janelas estavam quebradas, as paredes úmidas e o abade na época estava cansado de seu trabalho. Então, em 2008, um par de benfeitores entrou em cena. Edmund e Ursula Meiser, um empresário local e sua esposa, ambos católicos comprometidos, se ofereceram para construir uma cerca ao redor do jardim. Em seguida, pagaram por uma reforma, construíram um novo portão e restauraram um pavilhão barroco no mesmo terreno. Em 2018, os monges e os Meisers voltaram sua atenção para a igreja da abadia, cujas janelas corroídas estavam descascando. 

Eles criaram uma competição anônima para um artista redesenhar a maioria deles. Mahbuba Maqsoodi foi a escolhida, mas os monges ainda vislumbravam um toque de um artista famoso para as janelas do coro da igreja – um ponto focal atrás do altar, onde brilha o sol da manhã! Choriol disse que sua inspiração foram as janelas da catedral na cidade vizinha de Metz, na França, que são de Marc Chagall e atraem milhares de visitantes por ano. “Mas Chagall está morto”, disse o abade. “Então, perguntamos:‘ Quem é o artista mais famoso do mundo? ”Gerhard Richter veio à mente. Não achamos que ele diria sim. Achamos que ele recusaria educadamente. ” 

Vitrais criados por Marc Chagall para a catedral de Metz, na França
Vitrais criados por Marc Chagall para a catedral de Metz, na França

Um organista local, Bernhard Leonardy, escreveu ao Sr. Richter e pediu-lhe que criasse um projeto. Em junho, o artista ligou para Leonardy e deixou uma mensagem na caixa postal: “Gerhard Richter de Colônia aqui. É sobre o mosteiro mais antigo da Alemanha. Tudo parece maravilhoso, mas estou muito ocupado e simplesmente muito velho. Eu não acho que posso fazer isso. ” Em seguida, seguiu-se um intervalo de 10 segundos. “Mas eu gostaria de fazer isso”, acrescentou.

Os monges escreveram ao Richter expressando preocupação de que seus honorários fossem muito altos. Afinal, uma pintura abstrata de Richter foi arrematada por cerca de 45 milhões de dólares na Sotheby’s em Londres em 2015. O artista respondeu dizendo que projetaria as janelas de graça. O estúdio de Richter anunciou que as janelas de Tholey podem ser a última entrada no catálogo oficial de suas obras, que começa com a pintura Mesa, de 1962. As janelas serão a nº 957 do catálogo.

Um presente de Deus e Gerard Richter que certamente ficará para a história!

Gerhard Richter e Bernhard Leonardy
Gerhard Richter e Bernhard Leonardy
Trabalho da artista alemã-afegã Mahbuba Maqsoodi
Trabalho da artista alemã-afegã Mahbuba Maqsoodi. Ela ganhou o concurso proposto pelos monges e fará 34 vitrais figurativos para a igreja