ARTEQUEACONTECE
30Abr
"Moderno Eu" no Museu Lasar Segall
111 Rua Berta Vila Mariana
Abr 30 - Out 10
Com a exposição Moderno Eu o Museu Lasar Segall participa das celebrações em torno do centenário da Semana de Arte Moderna de 1922. Ainda que Segall não vivesse no país naquele ano, sua contribuição ao movimento de renovação estética no Brasil é notável, desde sua primeira passagem pelo país, em 1913, até as diversas ocasiões em que, a partir de 1924, o artista se empenhou na aproximação da arte moderna com o público brasileiro.
"Lugar-comum" no MAC
1301 Av. Pedro Álvares Cabral Vila Mariana
Mar 12 - Ago 13
Com a principal premissa de ser uma exposição colaborativa, a mostra LUGAR-COMUM, conta com curadoria de Ana Magalhães, Helouise Costa e Marta Bogéa, e acontece no MAC (Museu de Arte Contemporânea), no período de 12 de março de 2022 a 13 de agosto de 2023.
"A São Paulo da Marquesa de Santos" no Solar da Marquesa de Santos
136 R. Roberto Símonsen Centro Histórico de São Paulo
Fev 27 - Set 18
Uma mulher à frente do seu tempo, essa é a história de Domitila de Castro Canto e Melo – a Marquesa de Santos (1797-1867), contada na exposição A São Paulo Da Marquesa de Santos: Cumplicidade de um Cenário, com curadoria do historiador Paulo Rezzutti, em exibição no Solar da Marquesa de Santos (Museu da Cidade de São Paulo) no período de 27 de fevereiro de 2021 a 18 de setembro de 2023.
José Barbosa na Arte57
5144 Av. Nove de Julho Jardim Europa
Set 24 - Out 22
A exposição “Luz Própria” apresentará obras inéditas do artista pernambucano José Barbosa,  pintor, aquarelista, desenhista, ilustrador, escultor, gravador e entalhador. As obras reunidas explicitam a capacidade de Barbosa em unir diferentes referências, gêneros e temas, não se prendendo a uma única técnica. Seus trabalhos vão muito além do regionalismo pernambucano. Até por conta disso, o artista tornou-se mais reconhecido fora do Brasil, após realizar cerca de 20 exposições internacionais (Alemanha, Cuba, França, Espanha, Inglaterra, Portugal, Suécia, EUA), no período em que morou em outros países, entre 1972 e 1998.
Eustáquio Neves no Sesc Ipiranga
822 R. Bom Pastor Ipiranga
Set 6 - Fev 27
Composta de 70 obras, entre fotografias e vídeos, “Outros Navios: Fotografias de Eustáquio Neves” reúne séries do início dos anos 1990, como Objetificação do Corpo (1994), séries inéditas como as Fotopinturas, com obras realizadas em 2022, assim como “Outros Navios”, série em andamento e que dá nome à exposição.
"Independência e vida!" na Biblioteca Mário de Andrade
94 R. da Consolação República
Set 7 - Out 8
Exposição gratuita na  Biblioteca Mário de Andrade com curadoria de Paula Borghi amplifica as vozes de coletivos de arte  que potencializam a vida e atuam como agentes de transformações sociais
"Campos de energia: Fluxos fractais" na Galeria Nara Roesler
655 Av. Europa Jardim Europa
Ago 20 - Out 2
A mostra “Campos de energia: Fluxos fractais” apresenta uma seleção de diferentes práticas do campo do abstrato-geométrico, desde a geometria orgânica de Tomie Ohtake, até a pragmática algébrica e serial de José Patrício, passando por trabalhos de Abraham Palatnik, Heinz Mack, Julio Le Parc, Lucia Koch, Raul Mourão, Marco Maggi e Philippe Decrauzat, os quais desdobram suas ressonâncias na forma de energias visuais. Em meados do século XX, diversos artistas atuando na América Latina e na Europa criaram proposições que tinham como foco a experiência do olhar. Influenciados pelas tendências das vanguardas abstrato-geométricas do início do século, em especial aquelas do Construtivismo russo e da Bauhaus, e guiando-se por princípios da óptica, os artistas organizam composições em que a racionalidade científica é aplicada na construção de efeitos visuais expressivos, fazendo-nos perceber como móvel aquilo que é estático, revelando-nos que a instabilidade…
"Fauna Flora e Primavera" na Luciana Brito Galeria
5162 Av. Nove de Julho Jardim Europa
Set 24 - Out 16
O famoso conto “A Bela Adormecida” empresta os codinomes das Três Fadas para fazer uma alusão alegórica às três mulheres artistas participantes: Analivia Cordeiro, bianca turner e Selva de Carvalho. A curadoria de Fernando Mota estabelece uma relação a partir de temas comuns às artistas: corpo, movimento e natureza, desde obras históricas, como a primeira videoarte do Brasil - M3X3, de Analivia Cordeiro", até instalações multissensorial, como "eco", de Bianca Turner e Neo Muyanga, e site specifics, como "Medula de Medusa", de Selva de Carvalho. A coletiva faz parte do programa "Artista Visitante". 
"Moderna pelo avesso" no IMS
2424 Av. Paulista Bela Vista
Set 13 - Fev 27
"Moderna pelo avesso: fotografia e cidade, Brasil, 1890-1930" apresenta a produção fotográfica realizada em algumas das principais capitais do país -- Porto Alegre, São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Recife e Belém -- durante a Primeira República, de 1889 a 1930.
Pelas Ruas na Pinacoteca de São Paulo
2 Praça da Luz Luz
Ago 27 - Jan 30
A mostra reúne 150 obras, de 78 artistas, dentre eles, reconhecidos nomes da arte norte americana, como Andy Warhol, Edward Hopper, além de trabalhos de Charles White, Emma Amos, George Nelson Preston, Jacob Lawrence e Vivian Browne, entre outros. 
Flávio de Carvalho no Sesc Pompeia
93 R. Clélia Água Branca
Ago 30 - Jan 24
A exposição "Flávio de Carvalho Experimental" investiga o caráter experimental e múltiplo da obra do artista e suas reverberações no presente.
"Histórias brasileiras" no MASP
1578 Av. Paulista Bela Vista
Ago 26 - Out 30
Histórias brasileiras são histórias complexas, contraditórias, múltiplas, fragmentadas, incompletas. A exposição é apresentada no ano em que se completam 200 anos da Independência do Brasil e 100 anos da Semana de Arte Moderna. Mas são também os 100 anos da morte do escritor Lima Barreto, 100 anos do nascimento dos artistas Judith Lauand e Rubem Valentim. Além disso, há hoje uma intensa revisão das histórias do Brasil – expressa em livros, exposições, conferências, filmes e documentários. Quais são os temas, as narrativas, os eventos, e as personagens a serem celebrados, estudados e questionados neste longo e conflituoso processo? Quais têm sido esquecidos de maneira proposital? 
Joseca Yanomami no MASP
1578 Av. Paulista Bela Vista
Jul 29 - Out 30
Joseca Yanomami (1971, rio Uxi u, Terra Indígena Yanomami) é um artista visual integrante da comunidade Watoriki, da Terra Indígena Yanomami, no Amazonas. Interessado pelas áreas de saúde e educação, fundou, na década de 90, a primeira escola yanomami de seu grupo, incentivando crianças no aprendizado da escrita e no estudo de línguas, processo que havia, então, vivenciado recentemente. Na época, participou da produção de inúmeros folhetos bilíngues (yanomami/português) para programas de educação escolar e de saúde criados por ONGs brasileiras. No começo dos anos 2000, Joseca foi o primeiro Yanomami a trabalhar na área da saúde. Nessa época, ele também começou a esculpir animais da floresta em madeira, e, logo em seguida, passou a se dedicar também a desenhos que ilustravam elementos e histórias da vida, do cotidiano, do contexto e da cosmologia yanomami.
Dalton Paula no MASP
1578 Av. Paulista Bela Vista
Jul 29 - Out 30
A exposição Dalton Paula: retratos brasileiros traz trabalhos de diferentes fases da trajetória do artista, de 2018 até os dias atuais, sendo 30 deles exibidos pela primeira vez. As obras resultam de um longo processo artístico que se inicia com a seleção de biografias, parte para uma pesquisa e a coleta de documentos, como fotos e recortes, e então segue para a fase de produção. “É possível dizer que as pinturas falam entre si, como amigas íntimas, expressando suas personalidades, filosofias e práticas. São feitas no coletivo, como são coletivos os ensinamentos ancestrais”, reflete a curadora Lilia Schwarcz.
37º Panorama da Arte Brasileira no MAM
s/n° Av. Pedro Álvares Cabral Vila Mariana
Jul 23 - Jan 15
Sob as cinzas, brasa é o título e conceito proposto pelos curadores  Claudinei Roberto da Silva, Vanessa Davidson, Cristiana Tejo e Cauê Alves para a 37º edição do Panorama de Arte Brasileira do Museu de Arte Moderna de São Paulo, que tem patrocínio da EMS e do Instituto Cultural Vale. A curadoria levanta soluções artísticas que refletem sobre o enfrentamento do cenário de emergência das pautas sociais e ambientais no Brasil, se comprometendo com a promoção de igualdade étnica, de gênero e classe. Composta por 26 artistas, a edição deste ano traz um número significativo de obras inéditas e comissionadas, voltadas à diversidade e pluralidade da produção artística, mas que ao mesmo tempo dialogam e criam aproximações entre si. 
Bispo do Rosário no Itaú Cultural
149 Av. Paulista Bela Vista
Mai 18 - Out 2
Um ato de criação libertário, exercido dentro de um sistema opressivo, isto é, numa cela de manicômio. Uma obra ao mesmo tempo única e feita de múltiplas partes, que exibe, sem hierarquias, mantos, estandartes, esculturas e objetos comuns, mas ressignificados. Uma representação do mundo para ser apresentada a Deus no Dia do Juízo. A partir de 18 de maio – Dia Nacional da Luta Antimanicomial –, apresentamos na nossa sede, em São Paulo, a exposição Bispo do Rosario – eu vim: aparição, impregnação e impacto, que reúne centenas de trabalhos de Arthur Bispo do Rosario (1911-1989), em paralelo com outros artistas, modernos e contemporâneos. A mostra vai até 2 de outubro.
Walter Firmo no IMS Paulista
2424 Av. Paulista Bela Vista
Abr 30 - Out 9
Walter Firmo incorporou desde cedo em sua fotografia a construção de linguagem que busca a elaboração de sentido através de imagens dirigidas e encenadas, tendo como essência uma consciência de origem – racial, social e cultural –, amalgamada a um desejo de questionar os cânones da fotografia documental e do fotojornalismo.
Regina Silveira no MAC USP
1301 Av. Pedro Álvares Cabral Vila Mariana
Ago 28 - Nov 6
Comprar ingresso
Retrospectiva reúne cerca de 180 obras de Regina Silveira (1939, Porto Alegre, RS), uma das mais importantes artistas brasileiras de sua geração, reconhecida internacionalmente por sua trajetória como artista, pesquisadora e professora.
"Modernos" no MAB FAAP
903 R. Alagoas Higienópolis
Mar 10 - Nov 27
‘Modernos’, mostra em cartaz no Museu de Arte Brasileira da Faap (MAB Faap), pretende fazer com que o público perceba, de forma concreta, as influências artísticas da Semana de 22 na arte brasileira. Para tanto, foi organizada em dois núcleos: ‘Antes de 1922’ e ‘Depois de 1922’.
A exposição coletiva, com todos os artistas da galeria, baseia-se em um antigo provérbio chinês que valoriza o esforço, a paciência, a resiliência e a perseverança entre outras virtudes. Na mostra é possível ver, através de sinais, analogias e apropriações, um conjunto de obras que desenha um cenário simbólico de construção e evolução gradativa, enquanto explora em diferentes linguagens artísticas o desenvolvimento do pensamento humano. Dividida em dois tomos, cada qual com uma parte fundamental para a sustentação de uma torre – o alicerce e o eixo - como ponto de partida, a exposição se edifica simultaneamente em dois espaços físicos.
Daniel Senise na Galeria Nara Roesler
655 Av. Europa Jardim Europa
Ago 20 - Out 2
"Verônica'' é a terceira mostra individual de Daniel Senise na galeria Nara Roesler. Com curadoria de Luis Pérez-Oramas, a exposição apresenta os mais recentes desdobramentos da série Museus e galerias, além de um conjunto de trabalhos inéditos que refletem sobre as relações entre espaço, tempo, imagem e memória. A relíquia cristã onde se acredita estar registrada a verdadeira face de Cristo, conhecida como Manto de Verônica, teria sido o tecido usado por Verônica para enxugar a face de Jesus a caminho da crucificação, ficando marcado com os relevos de sua face. Este objeto serviu de inspiração para diversos pintores ao longo da história da arte. Representações de artistas como El Greco e Zurbarán, servem de mote para a série “Verônica” (2022), de Daniel Senise. O artista se apropria dessas composições, recriando-as, mas sem incluir o rosto de Cristo, de modo que o foco seja no suporte que dá sustentação para aquela imagem.
Bruno Vilela na Galeria Lume
54 R. Gumercindo Saraiva Jardim Europa
Set 24 - Nov 5
A mostra “Drama Dream” traz uma série de trabalhos que transitam na fronteira  tríplice entre arte, psicanálise e espiritualidade. Uma mitologia pessoal feita a partir de uma espécie de “estado de sonho”, universo de estudo da psicanálise. A exposição tem como origem uma vontade antiga do artista de fotografar as cenas que surgiam em seu inconsciente durante o sono. Os psicanalistas Freud e Jung foram a fundo no universo dos sonhos, e é de lá que veio a possibilidade de analisar o inconsciente humano através da interpretação dos enredos e imagens que lembramos ao acordar.
Celina Portella no Centro Cultural Fiesp
1313 Av. Paulista Cerqueira César
Mai 25 - Out 30
O Centro Cultural Fiesp (CCF) apresenta em São Paulo a exposição Corpo da Obra, da artista Celina Portella, com curadoria de Ângela Berlinde. 
Victor Brecheret na Pinakotheke
200 R. Min. Nelson Hungria Vila Tramontano
Ago 1 - Out 1
A Pinakotheke de São Paulo, em colaboração com o Instituto Victor Brecheret e com a iniciativa cultural de Orfeu Cafés Especiais, celebra o centenário da Semana de Arte Moderna com a exposição Victor Brecheret e a Semana de Arte Moderna de 1922. Dividida em quatro módulos, a mostra, com curadoria de Max Perlingeiro, reúne aproximadamente 50 obras dos artistas Victor Brecheret (1894-1955), Anita Malfatti (1889-1964), Vicente do Rego Monteiro (1899-1970), Zina Aita (1900-1967), Helios Seelinger (1878-1965) e Di Cavalcanti (1897-1976).