ARTEQUEACONTECE
30Abr
"Moderno Eu" no Museu Lasar Segall
111 Rua Berta Vila Mariana
Abr 30 - Mar 27
Com a exposição Moderno Eu o Museu Lasar Segall participa das celebrações em torno do centenário da Semana de Arte Moderna de 1922. Ainda que Segall não vivesse no país naquele ano, sua contribuição ao movimento de renovação estética no Brasil é notável, desde sua primeira passagem pelo país, em 1913, até as diversas ocasiões em que, a partir de 1924, o artista se empenhou na aproximação da arte moderna com o público brasileiro.
"Favela-Raiz" no Museu das Favelas
1269 Av. Rio Branco Campos Elíseos
Nov 26 - Dez 23
A exposição Favela-Raiz é uma ocupação-manifesto que representa o primeiro movimento de transformação do Palácio dos Campos Elíseos no Museu das Favelas, reverenciando a memória e as heranças das lutas dos que vieram antes e dos que seguem resistindo na construção desta história. O termo “favela”, cujo nome se popularizou a partir do início do século 20 ao denominar um sistema de habitações populares no país, é derivado de um tipo de árvore com espinhos, flores, frutos e sementes altamente nutritivas muito comum na caatinga e, especificamente, no Morro da Favela, em Canudos, no sertão da Bahia. Os soldados da Guerra de Canudos, convocados a combater os membros da comunidade liderada por Antônio Conselheiro, ali se instalaram, dada a ampla visão oferecida do vale e, ao retornarem para o Rio de Janeiro, sem a assistência prometida pelo Governo, ocuparam o atual Morro da Providência, que passou a ser chamado de Morro da Favela. Desde então, “favela”…
Pioneiro, visionário e atuante em um projeto de nação. Assim era Darcy Ribeiro, um importante personagem da história do país que deixou contribuições em diversas áreas de conhecimento. Para comemorar seu centenário, o Sesc 24 de Maio sedia a exposição Utopia brasileira – Darcy Ribeiro 100 anos. Com curadoria de Isa Grinspum Ferraz, colaboradora de Darcy Ribeiro por mais de 10 anos, a mostra propõe um diálogo entre uma coleção de objetos e documentos originais da coleção do homenageado, obras de arte contemporânea, fotos e aparatos multimídia, com vídeos diversos e uma grande instalação audiovisual. A exposição integra a ação em rede Diversos 22: Projetos, Memórias, Conexões, desenvolvida pelo Sesc São Paulo no contexto do centenário da Semana de Arte Moderna e do bicentenário da independência do país. No vão central do Sesc 24 de Maio, área com pé direito mais alto, os visitantes adentram uma experiência audiovisual imersiva, projetada em 360…
Guga Szabzon na Millan
1360/1430 R. Fradique Coutinho Pinheiros
Jan 21 - Fev 25
Guga Szabzon (1987, São Paulo, SP) utiliza a costura sobre placas de feltro, em sua maior parte de grandes dimensões, para construir imagens que se assemelham a ensaios cartográficos, paisagens ou, ainda, desenhos que sugerem automatismo e rapidez. Esses trabalhos são realizados no contraste entre o gesto da mão e a imprevisibilidade da costura por meio da máquina. Em suas obras recentes, selecionadas para a primeira exposição individual da artista na Millan, as linhas se tornaram autônomas, sua produção assume suportes de maiores dimensões, bem como intensificam a liberdade de experimentação com as formas e materiais.
Dudu Santos na Galeria Jaqueline Martins
443 R. Dr. Cesário Mota Júnior Vila Buarque
Nov 26 - Fev 11
Dudu Santos é pintor, cenógrafo, ilustrador, curador e professor. Entre 1959 e 1963, frequenta o curso de formação de professores de desenho da Faap, onde estuda pintura com Eduardo Sued (1925), Mário Gruber (1927) e Yolanda Mohalyi (1909 1978); desenho com Nelson Nóbrega (1900-1997) e Renina Katz (1926); mosaico e afresco com Joaquim Rocha Ferreira (1900-1965); gravura com Marcelo Grassmann (1925), Darel (1924) e Mário Gruber e escultura com Caciporé Torres (1935). Em 1966, leciona desenho e pintura no Ateliê Via Veneto, de Nieta Lex. Além dessas atividades, realiza os cenários das peças Knock ou Triunfo da Medicina, de Jules Romain em 1960 e Tríade em 1993; produz as capas dos livros de Paulo Bonfim, Leila Gouvea, Arruda Camargo e Antônio Penteado Mendonça. Em sua terceira individual na Galeria Jaqueline Martins, o artista exibe um conjunto de pinturas e esculturas que evocam tanto o cubismo de Picasso quanto a iconografia de produção originária de povos africanos.…
"14º Salão dos Artistas sem Galeria" e Paulo Jorge Gonçalves na Zipper
1494 R. Estados Unidos Jardim America
Jan 19 - Fev 25
O 14º Salão dos Artistas Sem Galeria, promovido pelo portal Mapa das Artes, do jornalista, crítico e colecionador Celso Fioravante, apresenta obras dos 10 artistas selecionados no fim de 2022 na Zipper Galeria, parceira do projeto. Essa edição inclui participantes de diferentes estados do Brasil e ofereceu uma  Bolsa Viagem + Fora do Eixo (Rio de Janeiro - São Paulo), ou seja, destinada para um artista residente de fora desses dois estados. O júri, que nesta edição foi formado por Elias Muradi, Ana Carolina Ralston e Alice Granada, selecionou os artistas Bruna Gibi (BA), Bruno Pinheiro (RJ), Consuelo Vezzaro (SP), Felipe Diniz Sanguin (SP), Larissa Fonseca (MG/RJ), Mario Lins (PE/SP), Oksana Rudko (Rússia / SP), Patricia Chueke (RJ), Reitchel Komch (RJ), Vitor Matsumoto (SP), Carchiris Gabriel Barcelos (MA). O Salão dos Artistas Sem Galeria tem como objetivo avaliar, exibir, documentar e divulgar a produção de artistas plásticos que não tenham contratos verbais ou…
"Contra-flecha" na Almeida & Dale
152 R. Caconde Jardim Paulista
Jan 19 - Mar 11
Com curadoria de Germano Dushá, Rafael RG e Ariana Nuala, a coletiva Contra-flecha: Arqueia mas não quebra reúne obras de artistas consagrados pertencentes ao acervo e rede da galeria, além de artistas convidados e de novos talentos, selecionados via edital. A mostra marca a primeira edição do Contra-flecha”, um programa expositivo anual realizado pela Almeida & Dale, voltado para a investigação de novas perspectivas na produção e na história da arte brasileira. Concebido como um espaço de experimentação crítica e curatorial, o projeto abre caminhos para debates essenciais à reflexão sobre a produção contemporânea e mobiliza novas conexões entre agentes do meio da arte. A proposta busca estabelecer diálogos entre obras o acervo e rede da galeria –majoritariamente composto por peças modernas do século 20– e artistas com pouca circulação no sistema comercial ou em início de suas trajetórias artísticas. A exposição apresenta obras de nomes como…
Vinicius de Moraes no Farol Santander
24 R. João Brícola Centro Histórico de São Paulo
Out 20 - Fev 27
Comprar ingresso
A mostra homenageia o Poetinha abarcando não só seus manuscritos, objetos pessoais e influências, mas também trabalhos de artes visuais que se conectam ao campo semântico do célebre diplomata, escritor e compositor. Eucanaã Ferraz, também poeta e curador da exposição, explica: “Vinicius de Moraes - por toda a minha vida traz o mundo do mais amado poeta brasileiro para nossos olhos, ouvidos e, sobretudo, nossos corações. O critério cronológico da exposição está aliado com a simultaneidade das linguagens e dos acontecimentos, e abre lugar para focos específicos. O resultado é uma sequência temporal em que, conforme o andamento da obra e da própria vida, há saltos, rupturas e estilhaços de memória, obedecendo-se ao perfil múltiplo de Vinicius de Moraes. Um bom exemplo é a atenção especial à escrita teatral de Orfeu da Conceição ou A arca de Noé, este último um dos momentos mais importantes da literatura brasileira para a infância. A escolha do material…
Michelangelo: O Mestre da Capela Sistina é a maior exposição imersiva já realizada no Brasil sobre a Capela Sistina e os afrescos de Michelangelo, que estão entre as mais famosas obras da história da arte. A reprodução gigante do teto da Capela Sistina, com estrutura criada exclusivamente para esta exposição, vai proporcionar ao público uma experiência inédita de imersão no ambiente, inclusive com a reprodução dos famosos mosaicos no piso. O espaço expositivo conta com recursos de alta tecnologia de animação e sonorização, promovendo um mergulho dos visitantes nas obras de Michelangelo. Detalhes sobre cada grupo de afrescos criados pelo pintor renascentista italiano compõem a experiência. Com mil metros quadrados divididos em 14 salas expositivas, a mostra apresenta espaços dedicados à arquitetura, história e curiosidades da Capela Sistina, além da sala de imersão com projeções gigantes no teto e nas paredes. Os conteúdos das salas, elaborados pelo…
2ª Mostra do "32º Programa de Exposições 2022" no CCSP
1000 Rua Vergueiro Paraíso
Nov 5 - Fev 27
O Programa de Exposições do Centro Cultural São Paulo (edital público anual) chega à 32ª edição consolidado no circuito artístico nacional como importante dispositivo de estímulo às artes visuais, desde sua implementação em 1990. A cada edição, uma Comissão Julgadora seleciona artistas emergentes para exibirem suas obras nas mostras anuais do CCSP. A Comissão Julgadora deste ano, formada pelas curadoras convidadas Beatriz Lemos, Renata Felinto e Vânia Leal em conjunto com as curadoras do Centro Cultural São Paulo Maria Adelaide Pontes e Sylvia Monasterios, avaliou 1.340 projetos inscritos e selecionou 20 proponentes. Os projetos selecionados foram divididos em duas Mostras em 2022. A segunda Mostra de 2022 apresenta as individuais de Camila Soato, “Imundas e abençoadas”; Lia Mae D Castro, “Seus filhos também praticam”; Juliana de Oliveira, “Dialética – Corpo, história e som”; Marcelino de Melo Gadi (Nenê), “Quebradinha: Escrevendo o hoje para que…
Not Vital na Nara Roesler
655 Av. Europa Jardim Europa
Nov 26 - Fev 11
“A vida é um detalhe” é a segunda individual de Not Vital na galeria, na qual o renomado artista suíço, conhecido por seu estilo de vida nômade e por construir obras site specific ao redor do mundo, apresenta sua produção recente em escultura, pintura e trabalhos sobre papel. Essa é a primeira vez que Vital apresenta obras desenvolvidas em seu estúdio no Rio de Janeiro. Pode-se dizer que a arte de Not Vital é feita a partir do encontro e este, por sua vez, se dá, principalmente, através do deslocamento. Sua própria mobilidade se configura como uma variável importante na capacidade de Vital em transformar, descontextualizar, reconfigurar e relocar fragmentos culturais e seus símbolos: Vital nasceu em 1948, em Sent, um pequeno vilarejo montanhoso no vale Engadin, na Suíça. Aos 18 anos, ele se muda para Paris, logo em seguida para Roma e, em 1976, para Nova York. Desde então, o artista tem viajado ininterruptamente para todos os cantos do mundo, trabalhando e vivendo…
"Um século de agora" no Itaú Cultural
149 Av. Paulista Bela Vista
Nov 17 - Abr 2
O Itaú Cultural encerra o seu calendário de exposições de 2022 com a coletiva “Um século de agora”, que reflete sobre os últimos cem anos de produção artística brasileira. Ela apresenta artistas em atuação atualmente no Brasil e amplia espaços para identidades preteridas no projeto artístico da Semana de 1922, reforçando a percepção do presente. As obras exibidas datam, em sua maioria, de 2022 e questionam noções de tempo, história, tradição e nação, no atual contexto brasileiro. A sergipana Júlia Rebouças, a baiana Luciara Ribeiro e a matogrossense Naine Terena de Jesus foram convidadas pela instituição para curar essa mostra, que se insere nas discussões de 2022 sobre a Semana de Arte Moderna. Para puxar este legado em uma releitura que desemboca na prática artística na atualidade no país, elas pesquisaram o que está sendo produzido em algumas regiões do território nacional, a partir de uma multiplicidade de idades, geografias e vivências…
Madalena Santos Reinbolt no Masp
1578 Av. Paulista Bela Vista
Nov 25 - Fev 26
Comprar ingresso
Com curadoria de Amanda Carneiro, curadora-assistente do Masp, e André Mesquita, curador do museu, a mostra monográfica “Madalena Santos Reinbolt: uma cabeça cheia de planetas”, que ocupa a galeria do 1° subsolo do museu, reúne 44 trabalhos, entre pinturas e tapeçarias realizadas entre as décadas de 1950 e 1970, que expressam a subjetividade imaginada da artista baiana através de um vasto mundo de personagens, paisagens e situações do cotidiano. Madalena Santos Reinbolt (Vitória da Conquista, BA, 1919 – Rio de Janeiro, RJ, 1977) cresceu com a família em uma pequena fazenda, onde ainda na infância teve seus primeiros contatos com o bordado, a tecelagem, a cerâmica e a pintura. No início da vida adulta, Santos Reinbolt saiu de Vitória da Conquista para trabalhar em Salvador, depois em São Paulo e no Rio de Janeiro, até chegar, em 1949, a Petrópolis, onde trabalhou na fazenda Samambaia, residência da arquiteta Lota Macedo Soares (1910-1967) e de sua companheira,…
Judith Lauand no Masp
1578 Av. Paulista Bela Vista
Nov 25 - Abr 2
Comprar ingresso
Com curadoria de Adriano Pedrosa, diretor artístico do Masp, e Fernando Oliva, curador do Masp, e assistência de Matheus de Andrade, assistente curatorial do museu, a individual “Judith Lauand: desvio concreto”, no 1º andar do museu, é a maior exposição já dedicada à obra da artista concreta, que neste ano completou 100 anos de vida e mais de sete décadas de produção. Judith Lauand (1922, Pontal, SP) graduou-se em Artes Plásticas pela Escola de Belas Artes de Araraquara, em São Paulo, cidade que integrava importante polo econômico e cultural da época. O ambiente progressista da faculdade mostrou-se decisivo para o seu momento de abandono da figuração, em direção ao abstracionismo e à geometria, como revela este trecho extraído de um manuscrito de sua autoria:  “Pintei uma natureza-morta. Então eu me levantei e me distanciei da tela para ver o que havia feito. Vi um quadro abstrato. O prato eram vários círculos, a garrafa um retângulo, a mesa,…
"Xingu: Contatos" no IMS Paulista
2424 Av. Paulista Bela Vista
Nov 5 - Abr 10
Primeiro território indígena demarcado no Brasil, em 1961, o Xingu serve de moradia para várias etnias dos povos originários que enfrentam há séculos inúmeras formas de invasão e violência e hoje mais do que nunca lutam por seus direitos. Desde registros de viajantes europeus a documentos de expedições do Estado brasileiro, da extensa cobertura na imprensa à revolução desencadeada nos últimos anos pelo audiovisual indígena, são muitas as formas de registrar essa busca por autonomia dentro desse território da população originária. A mostra busca revisitar a trajetória percorrida por essas imagens, por meio de diálogos propostos entre fotografias e filmes produzidos por não indígenas desde o século 19 e o trabalho atual de cineastas, artistas e comunicadores de povos do Xingu e de outras origens. Entre os trabalhos exibidos, estão comissionamentos a autores indígenas, itens de arquivos públicos e particulares, e exemplos de outras compreensões da imagem…
"Lugar-comum" no MAC
1301 Av. Pedro Álvares Cabral Vila Mariana
Mar 12 - Ago 13
Com a principal premissa de ser uma exposição colaborativa, a mostra LUGAR-COMUM, conta com curadoria de Ana Magalhães, Helouise Costa e Marta Bogéa, e acontece no MAC (Museu de Arte Contemporânea), no período de 12 de março de 2022 a 13 de agosto de 2023.
"A São Paulo da Marquesa de Santos" no Solar da Marquesa de Santos
136 R. Roberto Símonsen Centro Histórico de São Paulo
Fev 27 - Set 18
Uma mulher à frente do seu tempo, essa é a história de Domitila de Castro Canto e Melo – a Marquesa de Santos (1797-1867), contada na exposição A São Paulo Da Marquesa de Santos: Cumplicidade de um Cenário, com curadoria do historiador Paulo Rezzutti, em exibição no Solar da Marquesa de Santos (Museu da Cidade de São Paulo) no período de 27 de fevereiro de 2021 a 18 de setembro de 2023.
Eustáquio Neves no Sesc Ipiranga
822 R. Bom Pastor Ipiranga
Set 6 - Fev 27
Composta de 70 obras, entre fotografias e vídeos, “Outros Navios: Fotografias de Eustáquio Neves” reúne séries do início dos anos 1990, como Objetificação do Corpo (1994), séries inéditas como as Fotopinturas, com obras realizadas em 2022, assim como “Outros Navios”, série em andamento e que dá nome à exposição.
"Memórias da Independência" no Museu do Ipiranga
20 R. dos Patriotas Vila Monumento
Jan 25 - Mar 26
A exposição temporária Memórias da Independência é a primeira a ocupar a nova sala expositiva do Museu do Ipiranga, dedicada a exposições de curta duração. A mostra discute o protagonismo do grito do Ipiranga como marco absoluto da Independência e relembra diversos episódios, em vários pontos do território nacional, que contribuíram para a ruptura definitiva do Brasil com Portugal. Com cerca de 900m², a nova sala expositiva é climatizada, permitindo o empréstimo de obras de outros acervos. A entrada é gratuita e livre, sem a necessidade de ingressos. Senhas para o público serão distribuídas no local. A curadoria é de Paulo César Martins, Maria Aparecida de Menezes Borrego e Jorge Pimentel Cintra e a curadoria adjunta é de Márcia Eckert Miranda, Carlos Lima Junior e Michelli Cristine Scapol Monteiro. A mostra é dividida em dois eixos temáticos. O principal revê os marcos comemorativos da Independência brasileira, desde aqueles produzidos já na década de…
Com curadoria de Marconi Drummond, CRIA_experiências de invenção  reúne esculturas sonoras, máquinas-livro, fotografias, jogos ancestrais, poesia visual, videoarte, intervenções gráficas, entre outras manifestações. O título da exposição é baseado nas palavras criação, criança e cria – significados conectados à criatividade e como sinônimo de filhote. “CRIA já anuncia no seu nome a potência da (re)invenção e solicita um espectador emancipado”, comenta o curador. Ainda segundo Drummond, diferente da maior parte dos adultos, que alimentam a ideia da arte intocável e até mesmo inacessível, as crianças são movidas pela curiosidade e pela capacidade investigativa, livres de prejulgamentos. “Elas são inusitadas e imprevisíveis”, observa Marconi. A ideia, inclusive, é que os adultos percebam em CRIA novas maneiras de se relacionar com a arte contemporânea – observando e trocando experiências com os pequenos. “As crianças são devotas do…
"Nova Fotografia 2022 - Parte 2" no MIS
158 Av. Europa Jardim Europa
Dez 9 - Fev 19
Realizado há 11 anos, o projeto do MIS consiste na seleção por edital de trabalhos de artistas promissores, que se distinguem pela qualidade e inovação. Além de exibição pública – dividida em duas etapas - esses projetos também passam a fazer parte do acervo físico e digital do museu. Neste ano, o júri de seleção contou com Cristiana Tejo, pesquisadora do Instituto de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa e curadora e cogestora do Espaço NowHere, também em Portugal; Cristiane de Almeida, programadora e produtora cultural do MIS; Denise Camargo, artista visual, educadora e curadora; e Tiago Coelho, fotógrafo, professor e artista visual. Os selecionados também tiveram acompanhamento curatorial de Daniel Salum, professor, pesquisador e curador independente; Diógenes Moura, escritor, curador de fotografia, roteirista e editor; Lívia Aquino, pesquisadora do campo da cultura e das artes visuais, professora e artista; Mônica Maia, editora, curadora, produtora…
"Centelhas em Movimento" no Instituto Tomie Ohtake
88 Rua Coropé Pinheiros
Dez 15 - Abr 20
Essa exposição da Coleção Igor Queiroz Barroso inaugura o programa “Instituto Tomie Ohtake visita”, que busca dar acesso ao grande público a obras de qualidade atestada e pouco exibidas, apresentadas sob diferentes leituras curatoriais. “Ao estar desobrigado de uma coleção permanente, por não ser um museu, o Instituto Tomie Ohtake tem flexibilidade para visitar múltiplos agentes do meio artístico, imergindo em seus repertórios, ações e acervos, e oferecendo aos públicos uma montagem articulada que atravessa a história da arte de modo único e temporário”, afirma Paulo Miyada, que assina a curadoria de Centelhas em Movimento, ao lado de Tiago Gualberto, artista e curador convidado para desenvolver a abordagem curatorial da coleção. Baseada em Fortaleza, Ceará, a Coleção Igor Queiroz Barroso tem sido formada nos últimos 15 anos, ainda que suas raízes sejam mais antigas. Colecionar arte (em especial, colecionar arte moderna brasileira) é uma dedicação…
Cristina Canale e José Antônio da Silva na Galeria Estação
625 R. Ferreira de Araújo Pinheiros
Nov 17 - Mar 4
Quando Vilma Eid convidou Cristina Canale, como tem feito com alguns artistas contemporâneos, para dialogar com um dos nomes do acervo da Galeria Estação, a pintora imediatamente escolheu José Antônio da Silva, justamente o artista que inspirou Vilma a formar uma das mais importantes coleções de arte não erudita brasileira. Esta exposição que estabelece conversas entre os dois artistas reúne 13 pinturas de José Antônio da Silva e oito de Cristina Canale especialmente produzidas para a mostra.  Segundo Canale, dialogar com José Antônio da Silva significa entrar em contato com a origem da nossa força criativa e de certa forma questionar as fronteiras criadas entre “arte erudita” e “não erudita”. “Dialogar com outro artista é uma forma de espelhamento e redescoberta de cantos eventualmente esquecidos ou recônditos do próprio processo criativo”, ressalta. A série de trens do artista paulista foi o ponto de partida para a pintora produzir as suas telas.…
Jonathas de Andrade na Estação Pinacoteca
66 Largo Galeria Osório Santa Ifigênia
Out 24 - Fev 28
“Jonathas de Andrade: O rebote do bote” é a primeira retrospectiva do artista, fazendo um panorama de 15 anos de produção com curadoria de Ana Maria Maia, curadora-chefe da Pinacoteca. Dividida em três salas conceituais, a mostra apresenta a produção do artista, que se dedica a construir abordagens e vivências, nas quais o acesso ao outro e às diferenças é motivado pelo desejo e carregado de performances do poder, disputas e questões éticas. Na sala 1, intitulada “Corpo para Jogo”, figuram obras em que a sexualidade se dá em tematizações da masculinidade e do homoerotismo. Na sala 2, “Jogos de Corpos”, existe uma reflexão sobre as dinâmicas de alteridade em seus mecanismos de escuta, colaborações e resistência, com destaque para a inédita “Museu da Caravana do Nordeste (2022)”, um desdobramento da obra “Cartazes para o Museu do Homem do Nordeste (2013)”, do acervo da Pinacoteca. A sala 3, “Escalas de devoração”, aborda o jogo tenso de…
"Nova Fotografia 10 anos" no Paço das Artes
1345 R. Dr. Albuquerque Lins Higienópolis
Dez 27 - Fev 19
Em parceria com MIS de São Paulo, o Paço das Artes apresenta a mostra comemorativa Nova Fotografia 10 Anos. Ambas instituições são dirigidas por Marcos Mendonça. Apostando na qualidade e inovação dos selecionados pelo projeto, a exposição traz 60 trabalhos de fotógrafos contemplados pela convocatória do MIS ao longo de dez anos de existência. Com entrada gratuita, a mostra recebe visitantes de terça a sábado, das 11h às 19h; e domingos e feriados, das 12h às 18h, para contemplar a diversidade e amplitude de técnicas, temas e abordagens características das obras do Nova Fotografia, uma das mais importantes convocatórias dedicadas ao setor. Os trabalhos revelam traços do cotidiano de cidades e povos, curiosidades e peculiaridades de dinâmicas socioculturais e mostram experimentações analógicas e digitais. A edição comemorativa expõe uma obra de cada um dos artistas selecionados entre 2012 e 2021, oferecendo uma retrospectiva dos primeiros dez anos do projeto,…
Naufus Ramírez-Figueroa e Giangiacomo Rossetti na Mendes Wood DM
216 R. Barra Funda Barra Funda
Nov 19 - Jan 28
O galpão da Mendes Wood DM na Barra Funda recebe duas individuais simultâneas: “Mimosa Tenuiflora”, de Naufus Ramírez-Figueiroa, e “Trabalhos grandes”, de Giangiacomo Rossetti. Primeira individual no seu espaço em São Paulo do artista Naufus Ramírez-Figueroa (Guatemala, 1978), “Mimosa Tenuiflora” reúne trabalhos em vídeo, pintura e escultura, com cenários imbuídos de uma atmosfera de sonho e fantasia, mas que dialogam sobre um mundo desperto. “Mimosa tenuiflora”, nome de uma árvore com propriedades curativas cujo habitat abrange as Américas do Sul e Central, reflete principalmente sobre a prática mais recente do artista, com temas relacionados à ecologia e à simbiose entre humanos e natureza. Usada medicinalmente e para fins terapêuticos em rituais religiosos na América do Sul – a exemplo do uso das folhas na Jurema, prática religiosa brasileira de herança indígena –, a árvore que dá título a esta exposição indica o interesse do artista em…
"Tomie Ohtake dançante" no Instituto Tomie Ohtake
88 Rua Coropé Pinheiros
Nov 16 - Mar 20
Nessa exposição comemorativa de 20 anos da instituição, os curadores Paulo Miyada e Priscyla Gomes trazem novo olhar para a obra de Tomie Ohtake. Em “Tomie Ohtake Dançante”, a dupla de curadores investiga se a pintura dança, ou se é possível dançar com a pintura. Além da seleção de obras, para preparar a exposição os curadores conversaram ao longo de seis meses com coreógrafos e coreógrafas de perfis e trajetórias diversos, capazes de imergir na produção de Tomie Ohtake. Os convidados conceberam obras em diálogo com a casa e a produção de Tomie e realizaram ensaios abertos na casa-ateliê da artista. Essas peças fazem parte da exposição, e os horários e apresentações podem ser vistos no site e instagram do Instituto. Segundo os curadores, ao revisitar a obra de Tomie, encontraram ênfases plausíveis para uma abordagem do que há de dançante no seu fazer. “Em decorrência, organizamos esta exposição com 45 obras, em três atos, três ambiências que…
Guto Lacaz na Galeria Raquel Arnaud
125 R. Fidalga Vila Madalena
Nov 10 - Fev 18
A exposição “Antimatéria” traz obras inéditas de Guto Lacaz, que usou referências a grandes artistas construtivistas, como Sérvulo Esmeraldo e Carlos Cruz-Diez, e características marcantes da “optical art”, nesse novo conjunto de obras. A expografia idealizada pelo próprio artista para o primeiro andar dialoga com a arquitetura da galeria, respeitando o rigor multidisciplinar do design. Dispostas de modo alinhado, as peças criam um eixo único, causando um efeito coletivo e individual entre as obras. Esse jogo caracteriza a abordagem do universo de Lacaz, que pesquisa os materiais em situações inusitadas, com olhar lúdico e recursos de caráter tecnológico e provocador. A mostra parte de uma única ideia: propor uma ocupação radical, em que a obra possa dialogar com as formas arquitetônicas da galeria. Dessa maneira, a antimatéria provoca olhares sobre o que é a materialização do vazio, “Um blefe”, comenta o artista. “Antimatéria é o oposto da…
Sara Rosenberg no MCB
2705 Av. Brg. Faria Lima Jardim Paulistano
Out 14 - Mar 26
Comprar ingresso
A exposição “Esculturas Lúdicas”, concebida especialmente para o mês das crianças, propõe ao público uma nova maneira de interagir com as obras criadas pela escultora Sara Rosenberg: elas podem ser usadas como pontos de partida para brincadeiras em vez de ficarem sobre um pedestal. São peças destinadas à experimentação do público infantil em sua ampla diversidade, por meio da experiência tátil e motora. A curadoria da crítica de design Adélia Borges marca a inauguração do pátio interno como um novo espaço de programação, ocupado pelas as grandes peças orgânicas e coloridas de Sara Rosenberg, para o público interagir. Salas expositivas internas oferecem um território de brincar coberto e apresentam os processos criativos da artista e uma síntese de seu percurso profissional, com destaque para a sua atuação como designer de produtos, em parceria com a irmã Anete Ring. Uma das missões da nova exposição do MCB é dar um território de brincar para o…
Burle Marx no Centro Cultural Fiesp
Bela Vista São Paulo SP
Out 19 - Fev 6
Com curadoria de Guilherme Wisnik, Helena Severo e Isabela Ono e dividida em três eixos principais, a exposição “Paisagem construída: São Paulo e Burle Marx” exibe os projetos de ecologia urbana pensados por Roberto Burle Marx com seus colaboradores para a cidade de São Paulo; o diálogo entre seus projetos e os de arquitetos renomados como Rino Levi e Paulo Mendes da Rocha; além de propostas inéditas, nunca executadas, para espaços públicos da cidade como o Parque Trianon, o Parque Ibirapuera, o Vale do Anhangabaú e a Praça da Sé. A mostra ressalta o ativismo ambiental e pioneirismo na defesa da preservação dos biomas sul-americanos com o pensamento de projetos sobre cidades verdes. Na mostra, estão os projetos mais icônicos do paisagista. Um “Jardim Efêmero” desenvolvido pelo escritório Burle Marx, com estruturas verticais, ocupa a entrada da sede da Fiesp na Avenida Paulista, e a exibição de uma animação na fachada do edifício icônico completa as…
Sonia Guggisberg na USP Maria Antonia
258/294 R. Maria Antônia Vila Buarque
Out 20 - Jan 29
Na mostra “Silêncio”, a artista suíço-brasileira Sonia Guggisberg apresenta sua pesquisa de mais de seis anos sobre refúgio e diásporas humanas, com fotografias em diferentes suportes, vídeos e registros sonoros captados durante suas viagens. Sua pesquisa começa em 2016, na Grécia e segue por Malta e Lampedusa, na Itália, locais onde se concentrou o maior trânsito refugiados sírios e africanos rumo à Europa. “São pessoas sem passado e sem futuro, que vivem totalmente à margem, sem saber o que irá acontecer no próximo minuto”, conta Guggisberg, que já apresentou outros recortes dessa pesquisa como artista convidada no Festival Internacional de Fotografia Paraty em Foco e em Atenas, na Grécia. É um processo de testemunhar vidas anônimas, a partir da documentação do real, iluminando questões latentes na atualidade por meio de intervenções nas fotografias, suprimindo e reposicionando trechos das imagens. A mostra propõe uma análise sobre as identidades e…
Marcela Cantuária no Sesc Pompeia
93 R. Clélia Água Branca
Out 29 - Jan 30
A artista carioca Marcela Cantuária apresenta a mostra “Propostas de reencantamento” no Sesc Pompeia dentro do projeto “Ofício: Mancha”, uma iniciativa do Sesc São Paulo que tem o propósito de apresentar e investigar práticas do fazer artístico. Cantuária vem se destacando no cenário da arte contemporânea com um trabalho pictórico que aproxima imagens históricas de fundo político a referências da cultura visual atual. Sua pesquisa se debruça sobre as lutas das mulheres ao redor do mundo, elaborando narrativas de enfrentamento do machismo e da misoginia. Em “Propostas de reencantamento”, os esforços da imaginação, para além da realidade opressora, se apresentam como gesto anticolonial
Como parte do projeto institucional Diversos 22, a exposição “Margens de 22: Presenças Populares” contempla experiências de artistas e movimentos que ocorreram em paralelo à Semana de Arte Moderna, mas que não obtiveram a mesma visibilidade daqueles que estiveram no Theatro Municipal. A exposição apresenta o conceito de “modernidade” a partir de nove núcleos, refletindo sobre os desafios da vida urbana da capital. Com curadoria de Joice Berth, Alexandre Araujo Bispo e Tadeu Kaçula, a mostra analisa quais e quem foram os agitadores culturais de relevância para a composição da vida cultural da metrópole, trazendo luz para temas como a cultura infantil, a maternidade negra, os lugares de importância destes personagens e para a própria navegação da cidade, a fé e os festejos e também os trabalhadores e trabalhadoras que tanto contribuíram para a construção da identidade paulistana. Composta por obras diversas, desde pinturas até reproduções de fantasias…
"A Parábola do Progresso" no Sesc Pompeia
93 R. Clélia Água Branca
Out 27 - Abr 11
Exposição reflete sobre os ideários de modernidade e independência do país, buscando projetos inclusivos e  diversos. Com cinco territórios dialógicos, apresenta a vocação de reunir forças sociais em ambientes acolhedores  para suas comunidades. Um conjunto que marca o 40º aniversário desta unidade, inaugurada em 1982, palco para a cultura, o lazer, o bem-estar social e a saúde, qualidades e valores a serem resgatados nesse momento de distopia global. A efeméride coincide ainda com o bicentenário da Independência do Brasil (1822) e o centenário da Semana de Arte Moderna de São Paulo (1922), duas datas históricas que atravessam a concepção do projeto, inserido na programação “Diversos 22” do Sesc São Paulo. A coordenação curatorial é da crítica Lisette Lagnado, com os curadores associados André Pitol e Yudi Rafael. Com o objetivo de discutir o legado de Lina Bo Bardi para o Sesc Pompeia, um dos ícones arquitetônicos mais vibrantes da cidade,…
Sidney Amaral no Sesc Belenzinho
1000 R. Padre Adelino Belenzinho
Out 26 - Fev 27
Versatilidade artística e experiência cotidiana se encontram, a partir da perspectiva de uma subjetividade negra na exposição "Viver até o fim o que me cabe! – Sidney Amaral: uma aproximação”, com curadoria de Claudinei Roberto da Silva. A mostra, que esteve no Sesc Jundiaí em 2021, chega ao Sesc Belenzinho para promover e ampliar o diálogo do público com o trabalho de Sidney Amaral (1973 – 2017), artista contemporâneo que faleceu de forma precoce, mas deixou um legado que alarga a reflexão sobre a diáspora africana. Por meio de técnicas e materiais variados (como desenhos a grafite, pinturas com acrílica, aquarelas e esculturas), Sidney aponta para a aspereza de uma sociedade marcada pelo trauma da escravidão, do genocídio das populações negras e do racismo estrutural. Seu amplo repertório plástico é estratégico para a proposição de tensões, como se observa em “O pão nosso” (2014), escultura feita de bronze que conjuga o pesado e o leve, a…
"Moderna pelo avesso" no IMS
2424 Av. Paulista Bela Vista
Set 13 - Fev 27
"Moderna pelo avesso: fotografia e cidade, Brasil, 1890-1930" apresenta a produção fotográfica realizada em algumas das principais capitais do país -- Porto Alegre, São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Recife e Belém -- durante a Primeira República, de 1889 a 1930.
Pelas Ruas na Pinacoteca de São Paulo
2 Praça da Luz Luz
Ago 27 - Jan 30
A mostra reúne 150 obras, de 78 artistas, dentre eles, reconhecidos nomes da arte norte americana, como Andy Warhol, Edward Hopper, além de trabalhos de Charles White, Emma Amos, George Nelson Preston, Jacob Lawrence e Vivian Browne, entre outros. 
Liuba no MuBE
221 R. Alemanha Jardim Europa
Out 15 - Fev 5
“Liuba: Corpo Indomável” é uma das mais completas exposições já realizadas sobre a obra de Liuba (1923-2005), artista plástica de origem búlgara naturalizada brasileira, que desenvolveu a maior parte de sua carreira no país. Com cerca de 200 obras, entre esculturas, relevos, gessos, desenhos e estudos, esta mostra cobre a extensa produção da artista ao longo de seis décadas, partindo de uma tradição do modernismo europeu, mas que encontra caminhos para uma linguagem contemporânea. Na produção de Liuba, dois materiais merecem atenção: o bronze da peça escultórica, visto em força, equilíbrio e solidez, e o cimento, da unidade construtiva do tijolo, usando pela artista como base para suas esculturas, que se iniciam com a figuração e se expandem em suas representações de um mundo de existências possíveis – plantas, bichos, totens, humanos, bestas, personagens, deuses e mitos. Ao relacionar um imaginário ancestral com um fazer artístico contemporâneo, a…
Rodrigo Torres no Instituto Artium de Cultura
874 R. Piauí Higienópolis
Nov 9 - Jan 29
Na mostra “Vale da Utopia”, o artista Rodrigo Torres apresenta uma seleção especial de trabalhos produzidos nos últimos anos. Amparado por diversas técnicas, Rodrigo cria objetos tridimensionais que mesclam a presença e a ausência de figuras e fundos, alternando densidades, volumes e cores. As mais de 20 obras convidam o espectador a experimentar o olhar de um artista em estado convulsivo e catártico de criação. Sua matéria prima é a cerâmica, que cria em formatos que muitas vezes remetem aos contornos de objetos cotidianos e são amalgamados, fundidos, amassados e retorcidos, subvertendo a percepção do peso dos objetos e criando silhuetas inusuais, que jogam com o olhar do espectador. O artista visual brasileiro Rodrigo Torres vive e trabalha no Rio de Janeiro. Seus trabalhos são em sua maioria objetos tridimensionais que se mesclam a fotografias e pinturas, unidos em uma simbiose que elabora uma linguagem visual disruptiva. Impregnados de estratégias de…
Leandro Muniz na Casa de Cultura do Parque
1300 Av. Prof. Fonseca Rodrigues Alto de Pinheiros
Out 15 - Jan 29
Resguardar a importância do contato entre o mundo da arte e a produção, aliando a criação ao processo de desenvolvimento do produto e a adequação do mesmo nas diversas situações socioeconômicas, são aplicadas e subvertidas de diversas maneiras na arquitetura doméstica brasileira. Revisitando a estética dos quintais, que comumente cumprem a função prática de não apenas serem um espaço de lazer mas, sobretudo, de serviço, a exposição “Domingo”, de Leandro Muniz, explora, com uma nova série de pinturas diretamente nas paredes do espaço expositivo e outras realizadas sobre tecidos de tricoline, um universo lúdico e de descobertas, ao mesmo tempo que nos coloca diante de novas formas de pensar os suportes e as maneiras de produzir arte nos dias de hoje. Com texto crítico do curador independente, pesquisador e professor, doutorando Tarcísio Almeida, “Domingo” ocupa dois espaços expositivos da Casa: o Projeto 280×1020 e o NoDeck.
Mariana Serri na Casa de Cultura do Parque
1300 Av. Prof. Fonseca Rodrigues Alto de Pinheiros
Out 15 - Jan 29
A artista Mariana Serri apresenta “Hoshigaki”, individual na Casa de Cultura do Parque. Com direção artística de Claudio Cretti, a mostra faz parte do 3º Ciclo Expositivo 2022 da Casa. Os principais temas desenvolvidos nas pesquisas poética e visual de Mariana Serri têm origem na relação entre arte, ciência, cultura, natureza, cor, desenho e, também, nas relações entre presença, profundidade e superfície. Desde 2005, tais questões vêm sendo desenvolvidas de diferentes maneiras, principalmente por meio da linguagem pictórica, mas também do desenho e da fotografia, como ferramentas para a construção e o entendimento do visível e da superfície da pintura. Nessa exposição, Mariana apresenta uma série de pinturas em diversos tons de laranja avermelhado, referindo-se a uma pulsação vibrante presente no espaço Gabinete da Casa de Cultura do Parque, onde está a mostra. Ali acontece a passagem entre as áreas internas das galerias e o jardim. As imagens nas…
"Amálgama do Tempo" na Casa de Cultura do Parque
1300 Av. Prof. Fonseca Rodrigues Alto de Pinheiros
Out 15 - Jan 29
“Em cada instante, somos o amálgama do que fomos nos instantes anteriores. A certeza possível é de que eu era, mas não faço ideia do que ainda serei.”. Partindo dessa reflexão, inscrita no texto de Paula Braga, a exposição “Amálgama do tempo analisa as transformações do tempo e a concepção material do “eu”. A exposição coletiva compõe o 3º Ciclo Expositivo 2022 e apresenta uma seleção de obras dos artistas José Spaniol, Tiago Mestre e Flávia Ribeiro que dialogam com o tema e trazem à tona a poética das mutações daquilo que é sólido, líquido e gasoso.